Em vários momentos de nossas vidas, podemos sentirmos sobrecarregadas por sentimentos intensos, com certa frequência agimos ou temos pensamentos impulsivos e daí voltamos a repetir velhos hábitos, atitudes problemáticas e chegando até adotar estratégias autodestrutivas. A coluna deste mês é uma oportunidade de trazer reflexões sobre esses possíveis padrões e também revisar os tipos de estratégias problemáticas de enfrentamento mais comuns das adversidades, analisando vantagens e as desvantagens de algumas delas que trarei aqui para vocês.

Aprenderás a escolher aquilo que considerará ser do seu melhor interesse ao longo de sua jornada da vida.

Tipos de enfrentamentos problemáticos
Uma coisa podemos convir e acredito que isso seja um senso comum de todos nós, que temos como objetivo construir uma vida que valha a pena. Uma vida longa, saudável, plena e feliz. O foco não somente se sentir melhor no presente, nem dos próximos minutos. É buscar prolongar esse estado pelos próximos cinco anos ou mais.

Pensar no tempo de longo prazo torna-se mais importante do que o curto prazo. O que vocês acham?

Acredito que construir uma vida baseada nesta perspectiva, significa identificar e mudar as formas que se apresentam inúteis na maneira como lidamos com as coisas hoje. Claro que algumas vezes não será fácil, mas a intenção é realizar as coisas difíceis no agora a fim de tornar a vida mais fluida, leve e funcional no futuro.

Então, vamos lá.

Adversidades
  1. Álcool e drogas

Já escutamos em diversos momentos frases como: “Vou beber para afogar as mágoas” ou “Não existe problema que beber não piore”. O que também se aplique às drogas também.

Ninguém escolhe intencionalmente ter problemas com álcool ou drogas, não é mesmo? Tendemos a acreditar, baseado numa confiança sem autoconsciência, de que conseguimos lidar com essas coisas, principalmente se elas nos fazem sentir “melhor” nos próximos 5 minutos. No entanto, no percurso dessa prática algumas coisas podem sair do controle e nos privar de uma vida valiosa.

Abuso e dependência de álcool e drogas são problemas significativos para muitas pessoas com dificuldades emocionais. Milhões de pessoas conseguem abandonar a bebida e as drogas para lidar melhor com as emoções. Se consegue ter suas vidas de volta – sendo um dia de cada vez.

Adversidades
  1. Compulsão alimentar

Também conhecido como transtornos alimentares compulsivos, frequentemente envolvem comportamentos problemáticos para lidar com as emoções.

Por exemplo, se você se sente ansiosa e solitária, poderá se dar conta de come compulsivamente doces, carboidratos ou qualquer coisa que esteja disponível e que a possa preenchê-la.

Podemos imaginar, que você está recheando esses sentimentos, distraindo a atenção de suas emoções e acrescendo outro problema. A compulsão pode ser seguida de purgação – vômitos, uso de laxativos ou mesmo exercício em excesso.

Para identificar e aprender melhor sobre como lidar com compulso alimentar, procurando ajuda de um terapeuta especializado em terapia cognitivo-comportamental para transtornos alimentares.

  1. Queixas

Uma das características mais comuns do ser humano é queixar-se. Fazemos uso disso, com relação ao tempo, do chefe, dos amigos, marido, esposa ou de qualquer coisa ruim que possa nos acontecer. Ahhh… detalhe, também nos queixamos das coisas que não acontecem conosco.

A queixa em si, pode em momentos nos ajudar a descobrir que os outros concordam conosco, que nossas percepções, emoções são validados e que fazem sentido. Além disso, pode nos ajudar a perceber que temos ligação com outras pessoas quando nos dispomos a ouvir a queixa de outras pessoas.

Porém, também podem transformar em ruminação que podemos inadvertidamente despejar sobre as pessoas de nossa convivência. A queixa quando se torna crônica pode nos levar a rejeitar comentários de apoio e a enxergar a vida com mente aberta com foco na solução para aquilo que nos incomoda.

Podemos ficar tão focadas nas coisas negativas que nos acontecem – ou o que pensamos sobre elas – que simplesmente não conseguimos parar. Com certeza, não queremos ser dominadas pela negatividade quando estamos com pessoas queridas ou amadas, mas é importante ser capaz de compartilhar os sentimentos – mesmo as queixas.

Segue abaixo, algumas sugestões que poderá ajudá-la a lidar com suas queixas com melhor efetividade:

  • Edite o que você diz. Não se estenda!
  • Dê à outra pessoa uma chance de falar. Não a interrompa, não fale enquanto ela estiver falando.
  • Não ataque o ouvinte. Se atacar quem a apoia, você comprometerá esse apoio.
  • Compartilhe as coisas positivas. Não foque somente nas coisas negativas. Isso a ajudará a você pensar de forma mais funcional e colocar as coisas em novas perspectivas.
  • Respeite o conselho dado. Respeitar o que as pessoas dizem, mesmo quando não concorda. Você pode dizer: “Pensarei sobre o que disse, pois agora não estou certa de que isso pode funcionar para mim, preciso de um tempo para maturar. De qualquer forma agradeço o seu tempo e apoio em tentar me ajudar.”
  • Por fim, não se esquive das situações desconfortáveis, desagradáveis evitando vive-las. Tal atitude, só reforçará o medo de sentir e isso pode limitar sua vida.

E não é isso que queremos, não é mesmo?

Um forte abraço!

1 Shares:
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar:
Fotografia
Saiba Mais

A fotografia

O que eu mais quero, dentro desse momento congelado e dos rostos familiares na velha fotografia da minha infância, é nunca ter de perdê-los.