Nunca me levei muito à sério, desde criança sempre fui manoteira, o que me rendeu o apelido de Hilda, que era o nome da tia da minha amiga que sempre falava o que não podia. Tenho aquela espontaneidade que precisa de filtro, sabe? Como diz minha amiga, “vigia ela, gente!” Realmente, às vezes careço da supervisão de um adulto responsável.

Talvez isso explique a minha predileção por coisas engraçadas que não sejam roteirizadas, que acontecem ao acaso, tipo susto, tombo, reações involuntárias, tudo que é espontâneo tem muita graça pra mim, pois me identifico.

E mesmo lutando para exterminar com as mancadas, um vacilo ou outro sempre me acontece. Algumas pessoas já pegaram ranço de mim por conta disso, já aconteceu de eu falar algo e depois perceber um certo silêncio constrangedor, ai ai…

O interessante é que nunca fiz pra ser engraçada, nem muito menos pra pagar de sincerona, de forma alguma, sempre tive ressalvas com gente franca em exagero, acho muitas vezes grosseiro. Enfim, vamos ao caso que nos trouxe até aqui.

Em um dia bastante quente, eu estava levando meus dois filhos e um amigo deles para aula em meu Fiat 500. Então, estávamos nós quatro em um carro pequeno que sempre perdia potência quando ligava o ar-condicionado, condição esta que se agravava quando era morro acima e para quem mora ou conhece BH sabe que morros aqui não faltam.

Janelas abertas, rádio ligado, nós quatro momentaneamente em silêncio, quando começa a tocar uma música da minha época que adoro, aumento o volume e deixo-me levar pela energia da música, dançando com a cabeça vou cantando alto: “I Touch Myself, ooooh”, dirigindo toda feliz pela avenida Raja Gabaglia afora, sinal fechado, carros param do meu lado, nesse momento o meu filho mais velho que estava no banco do carona, olha pra mim e em silêncio fecha os vidros do carro.

“Filho, porque fechou? Está muito quente.”
“Mãe (respira fundo), você já parou pra pensar sobre o que essa música fala? (Todo mundo em silêncio)”

Segundo meu inglês que já me rendeu uma proficiência e alguma sobrevivência em viagens, respondi:

“Ué?! acho que é algo sobre autoestima, de se amar e tal.”
“Mãe, essa música fala de masturbação feminina.”
“Kkkkkkkkkkk (só eu rio), sério? – Gente, que coisa hein?! – Olha…menino, não sabia!”

Claro que fiquei com vergonha, não que masturbação seja um assunto tabu para mim. O fato é que não estava preparada, fui pega de surpresa e percebi que meu filho ficou meio embaraçado com a mãe louca, que enche o carro de menino e sai cantando o hino da masturbação em pleno meio-dia de uma quarta-feira. Ave Maria!

A questão é que já fiz uma força danada para ser diferente, para parar de me passar vergonha e terminar com as manotas, mas sabe de uma coisa? Nunca adiantou comigo, portanto, I accept myself, não vou ficar me martirizando por conta disso, de ser manoteira, vou é rir, ainda mais em tempos obtusos como esses em que vivemos, um pouco de leveza e de lerdeza pode ser vacina.

Não deixem de ouvir a música tema dessa coluna. ; )

“I Touch Myself” (Português: Eu me toco) é uma canção de pop rock lançada pela banda australiana Divinyls em 1990. Escrita por Christina Amphlett e o guitarrista Mark McEntee – e por Tom Kelly e Billy Steinberg, a canção causou controvérsia nos países de língua inglesa por ter como tema a masturbação. Quando lançada nos Estados Unidos, a canção também encontrou resistência com algumas estações de rádio se recusando a tocá-la. No entanto, atingiu a quarta posição na Billboard Hot 100. (Wikipedia)

4 Shares:
27 comentários
  1. Quem nunca? hahahaha
    Uma coisa que não nos damos conta é da tradução, mas importante é levar a vida com leveza e alegria.
    Gostei do texto!

  2. Amei! Ser uma, das várias “hildas”, me representa Totalmente!
    Pq não? A vida, já nos demanda responsabilidades demais…e no final, o que importa, é ser o que somos e como nos expressamos! Bora ser feliz! Parabéns, Geórgia! Delícia ler tudo isso! Sucesso!!!

  3. É uma maravilha ter uma Hilda na vida principalmente se for no dia a dia! Eu tenho a minha lá em casa hahahahah que coluna que toca ❤️

  4. kkkkkkk passo mal!! xuxa fazia isso direto nos programas dela. a cantora norte americana falando de genitália e a criançada super feliz pulando!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar: