Ela tinha 43, um filho de 12 e uma filha de 8. Ela tinha acabado de receber o resultado de seus exames e estava decretada a sua falência ovariana. Ela estava experimentando uma falência de grandes proporções. Sua total falta de informações sobre essa nova estação a levava a pensar em muitos términos. Ela tinha certeza de que seu casamento desabaria, sua autoestima desmoronaria e ela ainda tinha que ser mãe. E ela não tinha a menor ideia de como faria para tudo dar certo.

E ela pensou que seria muito providente se pudesse congelar suas funções maternas para poder entender a bagunça hormonal na qual havia se metido! Quem sabe um ano sabático sem ser mãe, férias acumuladas ou, em últimos casos, um feriado prolongado. Qualquer intervalo já estava de bom tamanho.

Como ser mãe e menopáusica ao mesmo tempo. Mãe gerencia tudo, cuida dos detalhes e faz sua parte para manter a estrutura funcionando, a engrenagem em bom ritmo, os parafusos apertados, as estruturas bem sólidas e os projetos em andamento. E ela dá colo, faz sopa, ajeita o casaco, pergunta como foi o dia, dá beijo no machucado e acolhe!!! Como fazer tudo, como continuar fazendo tudo isso em meio à escassez hormonal, aos fogachos, à secura emocional e vaginal (claro!), às noites de cobre/descobre, às mudanças ininterruptas de humor??? Como fazer???

Uma mulher que começa a viver a pós-menopausa antes dos 45 anos pode experimentar essa sensação de realmente não saber como administrar todas as mudanças que esse ciclo traz se tiver filhos pequenos. Tudo vai ficar confuso e misturado mesmo. E passar pela cabeça que maternidade e menopausa não conversam entre si é muito natural! Levei algum tempo para admitir que não dei conta de tudo não! Normalmente não damos mesmo, mas em meio a distopias hormonais, que era como eu via o início da minha menopausa, tudo tinha um tamanho disforme.

Eu era mãe e menopáusica. Eu era mulher e menopáusica. E quando eu era mulher menopáusica eu queria o beijo no machucado da alma, eu queria a sopa quente, eu queria o colo. Ainda quero! Só que agora, entendo que fiz o que meus hormônios deram conta. Dei o meu melhor amor de mãe menopáusica. Sei que ele não foi tão estável ou tão presente como talvez se ela não estive lá, puxando meu pé no meio da noite. Ou talvez eu pudesse ter sido mais presente ou menos suada, mas meus filhos não teriam notado minhas fragilidades, meus destemperos e que mãe também fica cansada.

Maternidade menopáusica requer cuidado, rede de apoio e lugar de fala. Encontre uma comunidade para te apoiar nesse momento. Você pode achar que não vai conseguir gerir tudo e esse sentimento pode fazer com que esse novo ciclo seja realmente mais difícil do que é. Algumas de nós realmente se fragilizam com as demandas de tudo junto ao mesmo tempo e está tudo bem!

Não é fácil admitir que eu me ausentei como mãe, pois a menopausa me tirou de cena algumas vezes! Mas agora, expondo e pensando sobre como tudo passou e chegamos bem, até aqui, posso afirmar que podemos aprender muito com ela. O silêncio faz tudo ficar mais barulhento. Hoje esse diálogo menopáusico está saindo para fora de nossos corpos e conversando com outros mundos e isso pode fazer toda a diferença para você, que é mãe e menopausou!

Beijos menopáusicos!
@antesdoscinquenta

6 Shares:
1 comentário
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar:
Fotografia
Saiba Mais

A fotografia

O que eu mais quero, dentro desse momento congelado e dos rostos familiares na velha fotografia da minha infância, é nunca ter de perdê-los.