Mês de aniversário. Parabéns para mim que não sabe quantos anos tenho, sim porque essa somatória vai depender de muitas variantes. Só para começar: depende de quem está comigo, se dormi bem, da cor do céu, do quanto eu bebi, do meu cabelo, do número de problemas do momento, do que estou lendo, da próxima música, de uma cena na rua, de uma mensagem, e é assim meio confuso. A idade tem muita relação com meu estado de espírito, então tem dias que tenho 18, outros dias tenho 80.

Acho que esta justaposição de idades em que vivo deve-se um pouco ao fato de eu ser uma das filhas do meio de uma família numerosa, o que sempre me fez procurar um lugar que me coubesse, já que, ora eu estava entre os irmãos mais velhos, ora entre os mais jovens, ora entre meninos, ora entre meninas e cresci assim meio moldável, sempre no meio.

Segundo dizem, parece-me que os 50 é o meio da vida, né? A “meia idade”, mas não sei se estou no meio. Porque às vezes ainda me sinto no início de tantas coisas, em alguns aspectos ainda estou procurando o lugar de partida, sei lá, tem surgido tantas questões nesses últimos anos, tem brotado tantas vontades e observo que não estou sozinha na inquietude dos cinquenta anos. Perceber que tenho os meus pares nessa questão me conforta enormemente, pois traz a sensação de que o lugar é esse mesmo, o da constante inconstância.

Nos momentos em que sou adolescente novamente e sinto aquela esperança inocente e energia juvenil é muito gostoso, mas o mais relevante e o que eternizou os meus 17 anos foi fazer a escolha pessoal de ser feliz, por isso, de tempos em tempos preciso acionar essa vibração. Em contrapartida, percebo que a maturidade é muito libertadora, veja bem, parei de focar nos defeitos e falhas, de julgar e comparar tanto, hoje eu busco meus predicados, minhas virtudes e as de quem me cerca, acredito que essa busca faz aumentar a parte de luz que há em mim e nos outros. Vixe, parece papo de yoga, né? Rsrsrsr e talvez seja um pouco mesmo.

Tudo bem fazer muitos aniversários, ok, só não quero ficar encanada com essa coisa de número, pois acredito que isso gera na gente, entre outros prejuízos, um medo de sorrir largo por receio de mostrar as rugas, ou por ter vergonha das amálgamas prateadas das obturações dos dentes de trás. Não quero me sentir desconfortável pelos sinais que os anos desenharam em mim, apesar de dar meus pulos na dermatologista, não quero negar as marcas do que foi a minha vida em nome da juventude eterna.

Adoro me sentir livre do compromisso com a cronologia. Deixar assim, a cada dia a idade que mais me convier. Cuido de ficar bem longe de ditaduras do “isso não fica bem para uma mulher da sua idade”, ou “ah se eu fosse mais jovem me matricularia nesse curso”, eu uso o que acho que fica bem em mim e se eu quiser aprender uma coisa nova eu vou tentar, sem dogmas, regras ou preconceitos. Não é à toa que Dercy Gonçalves é um ídolo, acho aqueles palavrões desprendidos de medo de julgamentos, sensacionais.

Para os dias de 80 anos me permito um silêncio maior e necessário, é quando vou em busca da serenidade. “Quem é essa que me olha e é tão mais velha que eu?” Li essa frase adaptada do poema de Mário Quintana e achei bonita, mas bastante inquietante. Como você se vê e como você realmente é, pode ser perturbador isso, né? Mas, hoje, escolhi não me perturbar, não quero saber, azar azeite café com leite que vou é ali, abrir um vinho e dançar com os braços pra cima, eu e Madonna cantando Get Together até meu joelho inchar de novo, amanhã eu ponho gelo.

Afinal, “é hoje o dia da alegria” Feliz Aniversário para mim e um grande desejo para todos nós de muita alegria de viver.

Vai aí a propaganda que me inspirou…

E o hino da Madonna!

1 Shares:
6 comentários
  1. Que texto real, alegre! Me identifiquei! Eu nunca gostei de fazer aniversário, vai ver que é por isso, nunca sei que idade faço! Kkkkk
    Parabéns!

  2. É no presente que acontecemos, podemos ter a idade que quisermos, até porque é nosso estado de espírito que diz a idade que realmente possuímos. Que texto alegre, alto astral!
    Feliz Aniversário!

    1. Eu amei tanto esse texto! E você é exatamente isso, adoro a sua liberdade de ser quem quer ser e que permaneça assim, seu texto foi muito inspirador para mim, e olha que tem quem diga que estou na flor da idade hahahahah. Beijos querida!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar:
Ouro de tolo
Saiba Mais

Ouro de tolo

Aproveito a viagem e penso que fiz o certo: para que ter tanto trabalho de construir uma nova carreira do zero? Foi asim que caí numa arapuca. Foto da obra de Tim Tadder "Nothing To See - Untitled#5"