“Como faço para recuperar meu desejo sexual?”, “Meu parceiro não tem mais paciência comigo”, “Que lubrificante posso usar?” … são algumas das frases que mais nos alcançam nas redes. E neste artigo vamos abordar uma das questões que mais nos preocupa e à comunidade: a sexualidade na menopausa. 

Agora, vamos um pouco do zero, o que é sexualidade?

Ao longo da vida, a sexualidade é geradora de autoestima, procriação e prazer, além disso, se expressa de diferentes formas. A sexualidade como tal se manifesta em todos os comportamentos e excede os órgãos genitais que são apenas parte do processo. E por que esclarecemos isso? … Segundo especialistas, fazer a diferença entre genitalidade e sexualidade é mais do que importante. Mais ainda nesta fase. Na verdade, uma mulher pode ter uma saúde genital ótima ao atingir a menopausa climatérica, mas não necessariamente desfrutar plenamente de sua sexualidade. Ou o contrário, tendo problemas como secura ou atrofia vaginal, mas ainda mantendo sua sexualidade. 

ATENÇÃO AGORA: embora as respostas sexuais do nosso corpo nesta fase sejam variáveis, (cada corpo é um corpo e nem todos experimentamos uma diminuição da libido), o declínio constante da produção hormonal que ocorre no climatério e a menopausa causa-nos certos sintomas físicos e psicológicos que interferem no pleno gozo da sexualidade. 

Quais são os sintomas ou mudanças que afetam diretamente o desejo sexual de muitos de nós?

Um dos principais sintomas é a alteração da mucosa vaginal ( também chamada de muco vaginal ): na entrada na perimenopausa, a produção de estrogênio – responsável por manter as paredes vaginais lubrificadas – diminui, fazendo com que a vagina fique mais seca. Essa diminuição da lubrificação vaginal, em resposta à estimulação sexual, pode causar dor durante a relação sexual (dispareunia).

Por outro lado, essa diminuição na produção de estrogênios também costuma gerar:

  • Falta de desejo sexual
  • Menos lubrificação vaginal
  • Dor durante a relação sexual
  • Menos intensidade na excitação e orgasmo

O que queremos dizer a vocês aqui é que muitos de nós passamos por isso dessa forma, eles não “falharam” se algo disso estiver acontecendo! 

Também há alterações emocionais ou psicológicas (o caso é semelhante ao impacto emocional gerado pela menstruação a cada mês). Por exemplo, embora nem em todos os casos seja assim, a menopausa costuma ser vista não apenas como o que é, “o fim da vida reprodutiva”, mas como um fim em si mesma: da sensualidade, da sexualidade, da atração (ERRO GRAVE, TODOS NÓS SABEMOS!). 

Infelizmente, em muitos de nós, gera um sentimento de desvalorização e perda da autoestima, o que, associado às mudanças na imagem corporal, pode influenciar o desejo sexual ou a libido. Nada está mais longe da realidade! Mas isso está no inconsciente coletivo …e temos que lutar!

Entre os sintomas que vão além do físico e que afetam nossa vida sexual direta ou indiretamente estão:

  • Irritabilidade
  • Suscetibilidade
  • Dificuldade de concentração
  • Ansiedade
  • Cansaço, etc

Outras questões que certamente, se não estivermos atentos, podem nos afetar: 

  • Quando chega a menopausa , é comum que precisemos de mais tempo para chegar à fase de excitação e para a vagina começar a lubrificar (se isso for difícil, pode-se sempre recorrer a lubrificantes externos). Veja nota secura e lubrificantes.
  • A secura vaginal geralmente torna a penetração dolorosa e desconfortável. Sem dúvida, isso pode nos fazer perder o interesse pelo sexo. A solução neste caso poderia ser: dedicar mais tempo à estimulação e usar géis lubrificantes, sempre buscando a satisfação plena.
  • A perda do tônus ​​muscular do assoalho pélvico, que, junto com a secura vaginal, torna as contrações que ocorrem durante o orgasmo menos intensas e duradouras. Nesse caso, a ginástica pélvica ajudará a mulher a manter o controle desses músculos e, portanto, da intensidade de seus orgasmos.

Perguntas que todos nós nos perguntamos….

Qual pode ser o impacto da menopausa em minha vida sexual?

A menopausa pode ou não causar mudanças em sua vida sexual. Cada um de nós é único. E isso é maravilhoso! Mas as mudanças possíveis são:

  • Níveis mais baixos de hormônio podem tornar os tecidos da vagina mais finos e secos. Essa condição é chamada de atrofia vaginal. 
  • Níveis hormonais mais baixos podem diminuir a libido. Pode demorar mais para ficar excitado.

Perder o interesse pelo sexo com a idade não é uma condição médica que precise de tratamento . Mas se tudo isso que está acontecendo com você a preocupa, converse com seu médico sobre maneiras de diminuir o impacto em sua vida sexual, como tratamentos para aliviar a secura vaginal . 

Que posso fazer?

Um tem o poder de decidir e você pode tomar medidas para melhorar a saúde sexual durante a perimenopausa após a menopausa. A página womenshealth.gov sugere:

  • Fique ativo. A atividade física pode aumentar seus níveis de energia, melhorar seu humor e melhorar sua imagem corporal. Todos esses fatores podem ajudá-lo a aumentar seu interesse pelo sexo.
  • Não fume. Os cigarros podem reduzir o fluxo sanguíneo para a vagina e reduzir os efeitos do estrogênio. Isso pode dificultar a obtenção da excitação.
  • Evite drogas e álcool em excesso. Eles podem retardar a resposta do seu corpo.
  • Faça sexo com mais frequência. Se você decidir fazer sexo, isso pode aumentar o fluxo sanguíneo para a vagina e ajudar a manter os tecidos saudáveis.
  • Aproveite o tempo para ficar excitado durante o sexo. A umidade causada pela excitação protege os tecidos e torna o sexo mais confortável.
  • Pratique exercícios para o assoalho pélvico. Isso pode aumentar o fluxo sanguíneo para a vagina e fortalecer os músculos envolvidos no orgasmo. 
  • Evite usar produtos que irritam sua vagina. Banhos de espuma e sabonetes agressivos podem causar irritação. 
  • Converse com seu médico sobre produtos que aumentam sua libido se você estiver preocupado em ter menos interesse em sexo Em alguns casos, a terapia de reposição hormonal é necessária.

Como posso tratar a secura vaginal?

No caso de secura vaginal leve ou desconforto durante o sexo:

Você pode usar um lubrificante vaginal à base de água de venda livre. Você também pode experimentar um hidratante vaginal sem receita para ajudar a aumentar a umidade. 

Para secura mais severa, seu médico pode prescrever um medicamento para inserir na vagina que aumenta a umidade e a sensação:

  • Cremes de estrogênio para a vagina
  • Comprimidos ou anéis intravaginais de estrogênio

Discuta seus sintomas e problemas pessoais de saúde com seu médico para decidir se uma ou mais opções de tratamento são adequadas para você. 

Que outros tratamentos são geralmente comuns?

  • Terapia psicossexual:  quando há uma história de trauma sexual ou experiências sexuais anteriores ruins, medo de intimidade, imagem corporal pobre, baixa autoestima, etc. A terapia individual ou de casal pode ser feita.
  • Estrogênios É a opção mais eficaz, especialmente na redução da atrofia e ressecamento. No caso de secura vaginal, existem tratamentos locais na forma de óvulos ou cremes que são aplicados diretamente na região genital .
  • Outros tratamentos. Ácido hialurônico e aplicação de laser para atrofia vulvovaginal e seus sintomas associados, como secura vaginal, dor e irritação.

Como posso falar com meu parceiro?

Sempre dizemos no No Pause, conversar ajuda e pode fortalecer seu relacionamento. Podemos conversar sobre o que gostamos e o que não gostamos, quais posições são mais confortáveis, o tempo até a excitação, se nos sentimos inseguros, outras formas de desfrutar o sexo sem penetração. 

Tenho que cuidar de mim mesma na menopausa?

Lembre-se que o fato de não termos possibilidade de engravidar – após 12 meses sem menstruação – não nos imuniza contra as infecções sexualmente transmissíveis (IST ou DST). Na verdade, após a menopausa, você pode ter uma chance maior de contrair uma IST. Nesse estágio, a secura ou irritação vaginal é mais comum e pode causar pequenos cortes ou lacerações durante o sexo, o que aumenta as chances de contrair uma IST.

Podemos conversar com nosso ginecologista sobre isso?

Não é apenas que podemos, mas devemos. É ele quem deve conhecer a vida sexual do paciente e acompanhar ou orientar, por exemplo, referindo-se a um especialista adequado de acordo com o problema que surgir, seja um sexólogo ou psicólogo. Por outro lado, e não menos importante, exigimos que nosso ginecologista não olhe apenas genitalmente, isso é uma parte muito pequena da sexualidade. 

2 Shares:
2 comentários
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar:
Prataria
Saiba Mais

Prataria

Foi a transição dos cabelos e pentelhos brancos que me levaram a essa reflexão. Sou uma mulher grisalha mas com muita lenha pra queimar.