Pela manhã comemos aquela barrinha de cereais na correria para ir para o trabalho. No almoço uma salada com molho low fat, queijo e um filezinho de frango. Cookies low carb ou outra barrinha para aguentar a fome do meio da tarde e, no jantar, um macarrão sem glúten com molho de tomate pelati em lata. A princípio, achamos que estamos ingerindo alimentos saudáveis, mas será que a escolha alimentar pode ser mais planejada e com alimentos que nos auxiliem na prevenção e controle de doenças? Vários estudos comprovam, atualmente, que uma dieta à base de plantas (plant-based) promove o envelhecimento saudável.

Basicamente esse tipo de alimentação prioriza alimentos in natura (vegetais, legumes, frutas, tubérculos, sementes, oleaginosas e grãos integrais) e orienta a redução ou exclusão do consumo de produtos de origem animal e também alimentos altamente refinados, como farinhas brancas, açúcar e óleos. 

A indicação que a literatura médica nos traz sobre a dieta plant-based é que, quando fazemos essas modificações, esses alimentos “ de verdade” possuem bioativos e contém grande quantidade de antioxidantes, ajudando a prevenir doenças crônicas, como diabetes tipo 2, hipertensão  e doenças cardiovasculares, que são as maiores causas de mortalidade em todo o mundo. A alimentação rica em produtos industrializados e proteína de origem animal está relacionada a um maior potencial inflamatório e ao aparecimento dessas doenças.

E em relação ao envelhecimento cutâneo ? Que notícias a alimentação plant-based pode nos trazer?

“A dieta  plant-based  maximiza o potencial antioxidante em nossas células, fornecendo vitaminas essenciais, incluindo vitaminas A, C e E. Também foi demonstrado que por diminuir as geronto toxinas (toxinas associadas ao envelhecimento) ajuda na prevenção do envelhecimento da pele”, segundo artigo publicado em uma revista internacional de Dermatologia em maio de 2020.

Como aderir à dieta plant-based:

  • Antes de iniciar um modificação alimentar, não deixe de consultar um médico especialista;
  • Comece incluindo aos poucos alimentos frescos e faça substituições principalmente em relação a proteína de origem animal, diminuindo assim seu consumo;
  • Inclua gradualmente mais verduras e legumes no almoço e jantar;
  • Posteriormente, por um dia da semana, alimente-se de produtos in natura por um dia inteiro;
  • Regionalize as substituições. Inclua castanha do Pará, açaí, jabuticaba e amora que são excelentes fontes de antioxidantes;
  • Converse com seu médico para avaliar a adequação da quantidade de proteína necessária e ingerida no dia;
  • Caso haja necessidade de suplementação, fale com seu médico nutrólogo.

A dieta plant-based é indicada para quem deseja ter uma alimentação saudável, natural e focada em vegetais. Envolve saúde, consciência, criatividade, bem-estar, mas também contribuiu para reduzir o impacto das escolhas alimentares na degradação ambiental.

Lançada por Sir Paul McCartney e suas filhas em 2009, a Meat Free Monday’ é uma campanha sem fins lucrativos que visa aumentar a conscientização sobre o impacto ambiental da pecuária e da pesca industrial.

A campanha incentiva as pessoas a ajudarem a retardar as mudanças climáticas, conservar recursos naturais preciosos e melhorar sua saúde tendo pelo menos um dia com a alimentação à base de plantas.

Para saber mais do impacto ambiental de uma dieta plant-based, clique aqui.

1 Shares:
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar:
Força na peruca
Saiba Mais

Força na peruca

“Força na Peruca! – Tragédias & Comédias de um Câncer” é um relato bem-humorado e otimista de uma sobrevivente do câncer de mama.