Eis um tema emergente. Por conta do programa Big Brother, estamos vendo pessoas serem canceladas. Participantes do programa têm sido cancelados, como reação do público a comportamentos e falas consideradas inadequadas. Não vamos entrar aqui nos detalhes nem no julgamento. 

A internet (e a TV nesse caso específico) expõe as pessoas e revela uma inabilidade nossa: não sabemos conversar, ouvir o outro, nem ouvir com a intenção de compreender. Essa inabilidade leva a violências verbais, e por consequência gera  reações das mais diversas, inclusive violentas, por parte de quem ouve, gerando um ciclo de desentendimentos. 

Cancelar equivale a eliminar uma pessoa do nosso mundo e do nosso convívio, alguém com quem não concordamos, eliminando assim a possibilidade de acesso a opiniões diferentes da nossa.

Numa sociedade que valoriza a quantidade de seguidores e likes, cancelar equivale a julgar e punir com a diminuição da popularidade. Equivale a virar as costas e deixar falando sozinho alguém que tem opinião diferente da nossa. 

A cultura do cancelamento aprofunda o distanciamento e a polarização, num momento em que deveríamos trabalhar para o melhor entendimento entre pessoas e promover a comunicação não violenta. 

Além de cancelarmos celebridades, influenciadores, cancelamos familiares, amigos, jornalistas, por pensarem diferente de nós. Estão todos cancelados?

O que vocês acham do cancelamento?

0 Shares:
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar:
Pães
Saiba Mais

Não Vivo Sem: pães

Hábitos, pessoas, animais, comidas, doces, vinhos, chás, chimarrão… A lista do que não vivo sem é grande. Hoje confesso: não vivo sem pães.