Acho que sou da última geração que teve uma infância livre. Quando eu tinha nove anos, minha família saiu de São Paulo para morar no interior e então, o que já era bom, ficou ainda melhor! A área de permissão para brincar ganhou os limites do bairro e a gente passava o dia na rua… Fora todas aquelas brincadeiras deliciosas, tinha piscina quase diariamente e várias festas juninas por ano. Uma infância rica de aventuras e claro, perigos na maioria das vezes fantasiosos, mas que traziam fortes emoções e em muitos momentos, medo.

Foi em um desses episódios que me encontrei entre a tensão e aquela vontade de fazer xixi, que uma amiga me contou que tinha um mantra de proteção para todos os momentos que ela sentia o perigo eminente. Naquela confissão íntima de duas amigas de uns 10 anos de idade, ela me passou seu mantra e, a partir de então, é mesmo que me protege até hoje.

Foi também no interior que fui estudar em um colégio de freiras. Não que em casa meus pais fossem super religiosos, íamos a missa no Natal e na Páscoa, mas o colégio era bem estruturado e walking distance da nossa casa. A partir de então, aulas de religião ministradas na maioria por uma freira fofa, faziam parte da grade escolar. Foi nesse mesmo ano que fiz minha primeira confissão na preparação para a Primeira Eucaristia.

Achei um pouco esquisito ter que contar sobre minha vida e comportamento para uma pessoa que não me conhecia e que só reforçava a culpa ao invés de aliviar. Mas, tenho sorte de ter uma mãe carola moderna e logo na primeira oportunidade, me liberou dizendo que a confissão podia fazer ali mesmo no momento da comunhão em um papo direto com Deus, sem intermediários. Ufa! Agora a culpa era só eu comigo mesma…

A religião seguiu paralela na minha vida, mas nunca gostei tanto de congregações. Sou muito sensível e a energia da fé me comove, por isso acabava preferindo ir à Igreja sozinha em momentos em que estivesse praticamente vazia. Porém, há alguns anos, passei pelo momento mais difícil da minha vida e participei de uma batalha espiritual em grupo, fortíssima e que sou grata até hoje. Era o momento certo para viver aquela experiência e também para começar a entender como eu gostaria de afinar a minha espiritualidade.

Nesse tempo entendi que amadurecer é se libertar de padrões, preconceitos e também religiões. É abrir um canal direto com seu Deus interior. Pedir pouco e agradecer muito. Se aproximar da natureza e deixar a espiritualidade crescer dentro da gente através da conexão com o todo. Continuo com meu mantra, agora ainda tenho um Salmo que rezo todo dia, várias vezes ao dia… para agradecer, para pedir ou só por rezar porque é muito lindo.

Também estudo Cabala, tenho letras e sopros espalhados pela casa onde afino a sintonia da minha vibração através de respirações. Medito. Quando perco alguma coisa (todo dia) não tem pra ninguém se não, meu São Longuinho. E se passo em frente a Igreja São José é espontâneo e verdadeiro um sinal da cruz com agradecimentos no nome de cada um da família e principalmente, aos que não estão mais entre nós.

Brinco que sou ecumênica. A minha espiritualidade independe da religião e cada vez mais vejo sentido na frase que minha professora de Yoga repete toda terça e quinta: “Que a gente consiga cada vez mais alinhar pensamentos, palavras e ações. Isso sim é viver em paz e andar de mãos dadas com Deus.

Amadurecer é maravilhoso, inclusive espiritualmente!

0 Shares:
1 comentário
  1. É isso aí Ana Lúcia querida!!
    Espiritualidade madura não deixa prá traz as nossas açoes concretas na vida real e os resultados que construímos, não?
    Adorei seu último texto do ano e desejo que venham muitos outros assim inspiradores em 2022!!
    Obrigada por compartilhar.
    Lídia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar:
Vírus
Saiba Mais

Vírus detectado

Como pop-up na tela do computador, esse vírus nos pôs à prova. Use máscara, álcool gel e viva a vida, porque viver realmente é o propósito.
Ira
Saiba Mais

Ira

Meu grito foi ouvido, as paredes tremeram, tamanha foi a ira das palavras que escaparam da minha boca como lanças afiadas.
Romance
Saiba Mais

Romance ideal

Narrativas encantadas da infância confundem nosso aprendizado amoroso com um tipo de romance que só deveria servir pra inspirar. Nada mais.