O Janeiro Branco foi criado para conscientizar, combater tabus e mudar paradigmas que envolvem as questões da saúde mental. Nos fazer refletir sobre os preconceitos que herdamos dentro de uma sociedade historicamente segregadora, egoísta, que sempre torceu o nariz para as diversidades, inclusive da nossa psique.

A química do nosso cérebro deveria ser tratada respeitosamente como qualquer outro detalhe desse mesmo corpo que é capaz de tantas emoções, força, ideias e dons. E o equilíbrio e o desequilíbrio, celebrados igualmente, apesar das tentativas hipócritas que nos fizeram acreditar na perfeição de apenas um deles.

Qual será a nossa parcela de culpa?
O seu olhar é humano?
Quem você não inclui no seu círculo casto de amizades?
Quais são os verdadeiros critérios que usamos para sobreviver socialmente? Seriam eles justos?

O diagnóstico de qualquer desordem psiquiátrica -embora tão comum quanto o diabetes ou o hipotireoidismo- ainda hoje vem carregado de estigmas e boas doses de sofrimento. Aquelas que nós enxergamos e as que mal percebemos. Infelizmente. Não fomos instruídos para a compaixão altruísta.

E o meu aprendizado sobre a extensão da antipatia ao que é referido como “não normativo”, nasceu com a descoberta pouco heroica da minha coragem. Eu, que imaginava inaugurar a maturidade deixando para trás tudo o que me oprimiu no passado, enterrando a minha própria história de ansiedade, medo e depressão, meus tiques, as ditas estranhezas que tentei esconder por tantos anos, precisaria agora, novamente, confrontar a genética dos meus neurotransmissores. Exposta, frente a frente com o lado real da maternidade, testando o poder do meu afeto, reunindo pelo caminho o que se despedaçava em mim: uma filha com síndrome de Tourette, enfrentando, aos sete anos, o lado B da humanidade.

Mas a transformação, quando inevitável, empurra a gente para um lugar distante daquele que estávamos antes de tudo vir à tona. Enxagua com facilidade os sonhos que havíamos desenhado colorido, tão frágeis são as nossas ilusões, recolocando sabiamente a nossa felicidade num lugar melhor.

Quando conseguirmos transpor, enfim, as consequências danosas da nossa ignorância, talvez não precisemos mais sacudir em desespero essas bandeiras. Quem sabe um dia. Pouco a pouco a humanidade avança, e se pensarmos que alguns séculos atrás éramos queimados na fogueira, ou internados em clínicas como a do Hospital Salpêtrière (sanatório retratado no filme “Baile das Loucas- Les Bal des Folles” -dica aqui no site em outubro de 2021– onde George Gilles de La Tourette foi interno de Charcot e ao descrever casos de tiques múltiplos, copralia e ecolalia, foi premiado pela brilhante contribuição que lhe conferiu o epônimo do seu nome à doença dos tiques), viver os dias atuais é sem dúvida um alívio. Nos faz sonhar com um futuro mais generoso. Veja mais sugestões a seguir:

Obs: a Síndrome de Tourette é uma desordem neuro-psiquiátrica complexa, geralmente diagnosticada clinicamente na infância por um de seus sinais, o tique persistente- motor e vocal. Sua causa ainda é desconhecida, mas já se sabe que fatores genéticos e ambientais desempenham um importante papel na sua etiologia. Normalmente vem acompanhada por outras comorbidades -como a ansiedade, o TOC, déficit de atenção, hiperatividade, disgrafia, sensibilidade sensorial, copralia (proferir involuntariamente palavras obscenas ou comentários inadadequados), ataques de raiva– o que acaba causando considerável comprometimento psicológico e social.

Não existe cura para ST. Ainda. Mas alguns medicamentos e terapias comportamentais (como a CBIT- comprehensive behavioral intervention for tics) ajudam muito. E amor, imprescindivelmente vital.

(Bibliografia: Brazilian Journal of Psychiatry)

0 Shares:
3 comentários
  1. Quanta delicadeza para falar de um tema pouco conhecido e complexo – como tudo que diz respeito ao ser humano. É impressionante como as mães conseguem falar dos assuntos difíceis e que as tocam profundamente com propriedade, profundidade e humanidade. Profundamente agradecida por me informar sobre a síndrome. Somos todos diversos e potencialmente propensos ao amor e a caminhar no sentido oposto do lado B da humanidade. Exercitemos com textos esclarecedores e amorosos, como este.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar:
Névoa mental
Saiba Mais

A névoa mental

Ela pode assustar e incomodar muito as mulheres que passam pela transição para a pós-menopausa. Mas, afinal, qual o impacto na memória?
Contrato de namoro
Saiba Mais

Contrato de namoro

Não é casamento nem união estável, mas o contrato de namoro pode esclarecer juridicamente os termos de uma relação casual.
Saber parar
Saiba Mais

É preciso saber parar!

Quem não ama um Bond? Sean, Pierce ou Craig? Camila Felberg faz um review do nosso espião favorito, e dá algumas dicas pra gente se apaixonar ainda mais.
Saiba Mais

Os opostos se atraem?

Deve ser legal na teoria, mas na prática me parece utópico. Um relacionamento entre pessoas absolutamente diferentes sendo um conto de fadas?