A verdade dos nossos filhos nunca será a nossa. Essa é a realidade nua e crua para a qual não somos preparados. O desgaste do nosso papel maternal. Porque é isso. Chega o dia em que só nos resta recuar e amassar a lista de expectativas egoístas que escrevemos inocentemente antes mesmo deles nascerem. A hora de encarar o ninho vazio. E voltarmos a ser quem deixamos para trás.               

Quando criança gostava de imaginar conversas com a minha versão adulta. Descobria antecipadamente os segredos do meu futuro, e depois planejava como contornar as adversidades que eu já sabia fazerem parte da minha jornada. Perdia horas nesses delírios infantis. Ouvindo relatos dos erros que – por causa do nosso encontro- não aconteceriam mais. Presenteando o meu outro “eu” com as lembranças apagadas de sua memória adulta. Nas descrições nítidas do meu dia a dia. Confidentes e cúmplices, nós éramos, daquilo que nos tornava a mesma pessoa.  

Mas com o tempo entendi- para o estremecimento da nossa relação- que embora fossemos, de fato, uma só … não falávamos a mesma língua. Havia uma compreensão desconectada sobre tudo o que não experimentamos juntas. Ainda que dividíssemos o mesmo apreço por nossa existência coabitada. Nossas vontades nunca seriam as mesmas. E na inocência dos meus poucos anos, acovardada pelo distanciamento que nos separou, a esqueci propositadamente. Deixando para cada uma de nós a sua própria história.      

Minha imaginação criativa talvez tenha premonitoriamente enxergado meus desafios com a adolescência das minhas meninas. O momento em que precisaria- diante de um outro abismo – agir de forma mais sábia. Quando lutei para não desistir dos diálogos estrangeiros entre a minha voz autoritária de mãe e o grito desesperado e hormonal da filha que me enfrentava. Errando. Tantas vezes, terrivelmente, na tentativa de não me deixar cair na tradução fracassada entre o que eu falo e desejo e o que elas escutam e pensam. Perdendo a razão ao impor arbitrariamente o meu lado. Afogando-as num amor que insiste em transformá-las no meu reflexo. 

Não é fácil. Agir como se eles não fossem nossos brinquedos. Apesar das nossas boas intenções. Do cansaço das noites sem dormir. Do esforço para fazer sempre o melhor. Das vezes que nos sentimos igualmente invisíveis e incompreendidas. 

A maternidade exige paciência e equilíbrio. Coragem. Para que o tempo possa trabalhar a nosso favor. Reunindo nossos laços desamarrados. Fiéis ao propósito que nos colocou no mesmo barco desde o início. Afinal de contas estamos todos à procura do mesmo sonho: sermos felizes, respeitados, amados, aceitos, percebidos, admirados. E livres.     

14 Shares:
4 comentários
  1. Amei seu texto, o conteÚdo e a forma como escreve. Tenho um filho de 23 anos, desde os 20 já fORa de casa. Voltou agora, UNIVERSIDADE fechada, pandemia. Ser mae de novo nao é sEmpre facil, havia ja me aCOstumaDo Com meU tempo livre. Mas amor de mae é assim: topa qualquer comPromisso, se foR para o bEm deles. E EstÁ mais do que certo assim!

  2. A tal da EXPECTATIVA x realidade. Sonhamos com a vida, o futuro que planejamos erroneamente para eles, nos esquecendo que cada um deles traça seu próprio caminho. Excelente colocação da escritora!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar:
Saiba Mais

2020, o mundo e eu

Duvido que se algum futurólogo fizesse uma previsão de como seria 2020 alguém acreditaria. Nostradamus estava errado, o…
Capô de fusca
Saiba Mais

Capô de fusca

Capô de fusca ou pata de camelo são expressões criadas para chamar o vinco das partes íntimas femininas que teima em aparecer na roupa.