Ele não pode ser mais uma regra de perfeição, mais uma cobrança para uma vida de sucesso. Jogue fora essa ideia.

Todas as relações de amor são complexas, e passam por altos e baixos. Com o amor próprio não será diferente. Aceite e acolha suas inseguranças e fragilidades, mas não se apegue à elas.

Regue seu amor com referências e nutrientes que respeitem o desenvolvimento de sua autenticidade. Escolha meios que correspondam aos seus valores, roupas que valorizem seu corpo, desabroche seu estilo em cada detalhe. Se ainda não os conhece, explore muito.

Seja crítica a crítica social que te engole, leia muito, assista filmes, palestras, podcasts, converse com mulheres de outros meios. Não tome nada como absoluto, questione.

Rompa padrões pessoais. Desafie-se, experimente a vida de maneira diferente. Viaje sozinha, enfrente medos antigos, estabeleça novas relações. Permita-se!

E, se desejar ou precisar, procure psicoterapia.

0 Shares:
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar:
Fé
Saiba Mais

Sua fé costuma faiá?

Cheguei a sentir inveja de quem demonstra uma fé inabalável, e hoje estou em processo de descobrir outros modos de me aproximar do Divino...