Oi? Essa frase sempre me pareceu mais um oferecimento da “Teoria das Vozes da Cabeça de Alguém”, não faz o menor sentido. Engraçado que eu estava sem uma ideia definida para escrever essa nova coluna e agradeço demais a super @cool50s (Clau, um beijo!) por um post no Instagram que me fez refletir e trazer esse debate.

Aos 20 eu, sinceramente, não tinha a menor ideia do que estava fazendo, tudo era fun and games e uma estrada de infinitas possibilidades. Só esquecerem de avisar que aquela travessia precisava de uma maturidade que eu ainda não tinha. Resultado? Decisões precipitadas, insegurança monstruosa e um caderninho de decepções.

Longe de mim dizer que não foi bom e que eu não aproveitei. Sim, fiz tudo o que tinha vontade (hoje vemos o quanto era saudável não conviver com os smartphones), abusava da adrenalina daquele momento e sim, aquele momento foi muito divertido.

Mas dizer que atualmente eu sou a mesma Beta é forçar uma barra absurda. Não posso esquecer do quanto eu amadureci pessoal e profissionalmente (valeu 30’s!) e hoje, a clareza sobre os acontecimentos e a forma de lidar com eles são totalmente diferentes.

Talvez o brilho nos olhos ainda seja o mesmo. A mente e o corpo, agora, pedem mais calma. A sede de vida é diferente, mais sensata e menos imediatista. As festas são outras. Os Martinis e Whiskies viraram, definitivamente, o café e a água com gás (um ou outro de vez em quando…). A minha independência aprendeu a ser flexível para caminhar em parceria e as escolhas são bem mais seletivas.

Querer comparar os 40 aos 20 é buscar deletar um período muito importante e não menos desafiador, a pretensa estabilidade, mas a verdadeira responsabilidade. É fingir que podemos ter aquela inconsequência desmedida dos 20 anos (vai aonde? Só não esquece que agora você terá que arrumar a bagunça). É incoerente vender essa ideia.

Não sei vocês, mas a minha versão aos 40 bate um bolão naquela minha versão de 20. E que bom!

Um beijo e até a próxima.

(Foto: Miles Aldrige)

0 Shares:
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar:
cancer de ovario descoberta inconformidades
Saiba Mais

Uma forma de prevenir o câncer de ovário, esse inimigo letal e silencioso

O cancer de ovario é um dos mais traiçoeiros por sua alta letalidade: 70 a 80% das vezes em que é diagnosticado, já está em fase avançada. Uma orientação divulgada no início deste ano pode literalmente salvar a vida de muitas mulheres. A recomendação é simples: todas as mulheres deveriam considerar a remoção das suas tubas uterinas (antigamente chamadas de trompas de Falópio) depois de já não desejarem mais ter filhos, para prevenir o cancer mais temido da ginecologia: o dos ovários.