Toda segunda-feira, todo começo de ano, todo “depois dessa fase” são marcos para o desejo de mudanças. Começar dieta, atividade física, procrastinar menos, começar um novo curso, ser mais organizada, mais paciente, não fazer tantas horas extras, aprender a dizer não para família e amigos são alguns dos planos contemplados para esses recomeços.

Roberto Pompeu de Toledo escreveu sobre o tempo :

“Quem teve a ideia de cortar o tempo em fatias, a que se deu o nome de ano, foi um indivíduo genial. Industrializou a esperança fazendo-a funcionar no limite da exaustão. Doze meses são para qualquer ser humano cansar e entregar os pontos. Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra vez, com outro número e outra vontade de acreditar que daqui pra adiante vai ser diferente…”

Sim, é genial termos essa sensação de que tudo pode recomeçar e ser diferente, que a esperança e ânimo sejam renovados para seguirmos adiante com nossos sonhos e projetos. Mas, muitos desses projetos acabam se perdendo na rotina dos dias que se seguem.

Claro que somos seres únicos, com nossa biografia, potencialidades e dificuldades particulares. Mas existem alguns aspectos comuns que influenciam as mudanças de hábitos e hoje vamos falar sobre eles.

Geralmente começamos a contemplar a mudança que desejamos, imaginando o que ela traria de benefícios para nossas vidas, ou ainda, algum fator externo como uma doença ou uma separação nos obriga a rever o jeito de viver.

O grande desafio começa em como planejar essa mudança, pois só o desejo não costuma ser o suficiente para consolidar a mudança.

Esse planejamento deve incluir o autoconhecimento, a observação da realidade atual e as possibilidades de remanejamento gradativo. Por exemplo, alguém que está enfrentando dificuldades em relação a procrastinar algumas atividades do trabalho, quais perguntas poderia se fazer:

Quais atividades estou procrastinando?

A procrastinação tem tido quais consequências na organização do meu dia?

O que tem me feito procrastinar?

Quais são os meios que uso para procrastinar?

Geralmente, a procrastinação é uma forma de se evitar algo que cause algum tipo de desconforto, como um trabalho difícil e indesejado. Ou ainda pode envolver questões mais sérias, como estados depressivos e ansiosos. Mas vamos considerar a primeira hipótese para seguirmos com o exemplo.

Listar as consequência negativas da procrastinação pode ser um caminhos para perceber que a evitação não é um caminho eficiente para aliviar o desconforto, pois em algum momento o trabalho acumulado precisará ser realizado e, quanto mais acumulado, mais aumenta a ansiedade e reduz o tempo para outras atividades mais interessantes. Uma vez que mesmo não realizado, poderá se manter em mente a necessidade de realizá-lo. Dessa forma, listar as coisas boas que se pode realizar tendo o tempo mais organizado, também pode ser um caminho.

Então é hora de colocar em prática. Estar consciente dos pensamentos e sentimentos que levam a procrastinação, e os meios usados para procrastinação. Em geral as mídias sociais estão bastante envolvidas. Então é preciso começar a experimentar as melhores formas de organizar o tempo, como limpar o campo de trabalho, não deixar mídias sociais tão acessíveis ou ainda prever pausas de descanso para que se possa consultá-las.

Sim, desfocar do trabalho por curtos períodos e ter descansos adequados, melhoram a qualidade da atenção e devem fazer parte do plano de como usar melhor o tempo. Vale salientar que muitas vezes a rigidez na mudança dos hábitos acaba por gerar sentimento de impotência em alcançá-la e, por sua vez, culpa e desistência. 

Por isso usei o título “Mu dança”, uma referência a música de Gilberto Gil e a ideia de a mudança precisa de flexibilidade e leveza. Encontrar o ritmo próprio em sintonia com a música da vida. Disciplina é importante, mas com compaixão. Manter a constância, não desistir frente aos deslizes e olhar para eles como forma de aprendizado para estabelecer novos caminhos. E ainda, não hesite em buscar ajuda profissional caso considere importante. 

Normalmente demoro um pouco para sentar e colocar meus textos no papel, mas quando isso acontece, em geral já estou com a ideia praticamente pronta dentro de mim. A caminhada na natureza, o cuidar das plantas não entram exatamente como procrastinação, mas como formas meditativas, contemplativas que trazem para minha consciência a ideia que gostaria de transmitir.

Então, esse texto sobre as mudanças programadas para início do ano, sai em fevereiro e não em janeiro, como seria o esperado. Mas contempla o ano todo que vem pela frente e que pode fazer acontecer os desejos de mudança. Desejo um bom recomeço, cheio de desejos e planos.

0 Shares:
2 comentários
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar:
Pacto
Saiba Mais

O pacto

Uma carta guardada por duas décadas revela o pacto de um casal apaixonado e como o distanciamento nos faz mais resilientes ao amor.
Saiba Mais

A maturidade e o luto

Para envelhecer, um pré-requisito é mandatório: sobreviver às perdas do caminho. O luto é um afogamento. Ele te aprisiona submersa sem ar...
Sono
Saiba Mais

O sono e a menopausa

Tem achado difícil ter uma noite de sono reparador e no dia seguinte se sentir novinha em folha? Você não está sozinha.
Mesa para três
Saiba Mais

Uma mesa para três

Já reparou como as amigas solteiras são excluídas dos rolês de casados? Será que rola uma mesa para três ou somos obrigados a andar em pares?