Dar dicas de filmes e séries foi a idéia inicial do meu perfil @cool50s, desde agosto de 2018. Ele ter se desdobrado e crescido falando sobre a curiosidade na maturidade é outra história, que prometo contar depois.

Mas o coração do Cool50s continua nessa “seção cultural”, e garimpar trilhas sonoras bacanas, livros relevantes e séries que fujam um pouco do lugar comum sempre foi a minha paixão.

Assim nasceu a coluna “Sextou na Pandemia”, que eu costumo postar todas as sextas e quero postar por aqui também. Essas foram as minhas escolhas há algumas semanas atrás, e confesso que das minhas preferidas.

“Dois Estranhos”, curta metragem que ganhou o Oscar esse ano, com uma história potente e aflitiva. Em trinta minutos, o racismo estrutural que permeia a nossa sociedade não poderia ser mais didático -e triste. Imperdível e necessário, nos leva a uma reflexão desconfortável.

A trilha sonora é auto-explicativa: Ray LaMontagne, um dos maiores expoentes atuais da música folk americana.

“Praia dos Ossos” é o podcast da Rádio Novelo que fez um sucesso estrondoso no Spotify. Narra com detalhes a história da morte de Angela Diniz, o primeiro feminicidio que foi parar nas capas das revistas no final dos anos 70. A riqueza da pesquisa é um dos pontos altos desse podcast, e o que faz essa narrativa viciante.

Por último, “Nós, Mulheres”, da escritora espanhola Rosa Montero. Trechos de biografias de grandes mulheres da história, e um livro que mostra claramente o protagonismo feminino nos principais avanços da humanidade.

Espero que gostem!
Um grande beijo e até a semana que vem
Claudia

0 Shares:
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar:
Mesa para três
Saiba Mais

Uma mesa para três

Já reparou como as amigas solteiras são excluídas dos rolês de casados? Será que rola uma mesa para três ou somos obrigados a andar em pares?
Férias
Saiba Mais

Férias de mim

A velhice não acontece como planejamos. É bem mais pesado. Tem horas que não aguento ser eu mesma. Às vezes é preciso tirar férias da gente...