Ontem assisti ao filme italiano “A Incrível  História da Ilha das Rosas “, na Netflix. Uma das coisas que me chamou atenção pro filme foi a foto de cartaz e as fotos de divulgação: na hora que bati o olho pensei na fotografia do italiano Luigi Ghirri. O tom de azul que ora parece o tom polaroid e ora o do kodachrome.

Os espaços vazios interessantes, que sempre me fascinaram, estavam lá. Já capturada imageticamente fui ler o resumo do filme dirigido por Sydney Sibilia. Roteiro baseado em uma história real que se passou na Itália em 1968, quando o recém formado engenheiro Giorgio Rosa resolve construir uma ilha e transforma-la em um país independente.

Lá foi a minha cabeça correndo pro incrível fotolivro Afronautas da fotógrafa espanhola Cristina de Middel. Este livro, em que a primeira edição fez tanto sucesso no mundo da fotografia de arte em 2012,  conta a história da tentativa do programa espacial de Edward Makuka na Zâmbia de 1964, com imagens recriadas pela artista.

Ambos os projetos originais transbordam idealismo, desejos libertários e de independência, de uma forma não violenta e até diria meio romântica e ingênua. 

Com a minha cabeça pulando de pensamento em pensamento só consigo lembrar da frase da Cláudia Arruga, “O que carregamos na vida é o nosso repertório”.

0 Shares:
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar:
Pães
Saiba Mais

Não Vivo Sem: pães

Hábitos, pessoas, animais, comidas, doces, vinhos, chás, chimarrão… A lista do que não vivo sem é grande. Hoje confesso: não vivo sem pães.