““The bitters are excellent for your liver,the gin is bad for you. They balance each other. ”
Orson Welles

Provavelmente a primeira coisa que voce pensou quando leu o título foi: “Nossa, é muito!” Quando as pessoas pensam em Negroni é assim, tanto quem está acostumado a tomá-lo quanto aqueles que “temem” bebida. Interessante que a maioria não tem as mesmas reservas quando pensam em quatro taças de vinho ou pints de cerveja.

Em parte é até justificável. Há de se lembrar que uma dose de Negroni tem seus 30% de teor alcoólico, enquanto uma taça de vinho tem uns 12% e um copo de cerveja 5%. A matemática etílica do Negroni pode ser bem complicada. O Negroni tem certas particularidades que o diferem dos demais drinks, e que fazem a fronteira das quatro doses ser um marco bem agradável.

A começar pela mistura. O Negroni combina três bebidas que individualmente têm gosto muito específico; o bitter (ou Campari) pelo amargor, o vermouth doce e o gin, visto por muitos – como nosso amigo Orson Welles – como vilão.

O fato é que a combinação centenária destes três ingredientes em partes iguais traz um resultado delicioso para um aperitivo de almoço, uma deliciosa tarde de drinks com os amigos ou um jantar, e poucos drinks servem para tanto.

O que precisamos então para desfrutar das quatro doses? Primeiro tirar a cisma, se você acha que Negroni é forte ou amargo a escolha certa dos ingredientes faz a receita ficar bem suave e equilibrada. Se não gosta de Campari, experimente Ramazzotti ou Martini bitter.

O vermouth pode ser desde um Carpano Classico até um Anticca Formula ou Aureah que realmente vão elevar o nível do seu Negroni. Escolha um bom gin; Bombay Saphire, Hendricks ou Monkeys. Pronto, você já tem um Negroni excelente para a sua primeira dose.

Vamos aos outros pontos importantes. O Negroni depende de um bom lugar. Você não vai encontrar um bom Negroni em qualquer boteco, então para tomar as suas quatro doses você deve estar em bares em restaurantes agradáveis. O Astor e Spot têm um bom Negroni, o Petit Le Jazz também. O da Adega Santiago é otimo e o do Pizelli você toma de joelhos. Não vai pedir Negroni no samba ou na pizzaria que não funciona. Bons Negronis estão em bons bares, simples assim.

Outro ponto importante é a companhia. Você pode até tomar quatro sozinho, pensando na vida e ouvindo Coltrane, mas o bom do Negroni é tomar acompanhado.

Humphrey Bogart, Lauren Baccall e Frank Sinatra

Aconselho reuniões de amigos, seja no bar para papear e ouvir musica, seja uma conversa séria. Certeza que depois do quarto tudo vai estar mais leve, divertido e você vai descobrir que seu problema não era tão grande assim.

Eu já acho mais interessante estar com aquele pessoa que você gosta e juntos, no decorrer de uma tarde ou noite, passarem deliciosamente da segunda à quarta dose. É quando acontecem os olhares demorados e dos beijos intensos. Sim, beijos normalmente ocorrem no terceiro Negroni e trazem excelentes opções de como vão saborerar a quarta dose juntos.

Negronis tembém precisam de boa música. Minha playlist “4 Negronis” tem desde “What´s Going On” com Teddy Swims até o bom e velho Tony Bennett. Negroni vai bem até com Bossa Nova, acredite. A musica, tanto quanto o lugar, é fundamental para dar aquela vontade de ficar mais e passar para a próxima dose.

Quatro Negronis no sambinha de sábado pode até rolar, mas tem que estar muito bem feito e a companhia excelente, é raro, e se acontecer não perca. Outra certeza após quatro Negronis; você vai dançar. Seja porque você gosta, porque você ficou mais solta depois da quarta dose, é feliz consequência da matemática etílica.

Dance. Podem ser os hits anos 80 no bar do seu amigo ou juntinhos na sala com a quarta dose na mão. Pode ser os “Embalos de Sábado a Noite” ou a coreografia do “Dirty Dancing”, não importa, deu vontade, vai dançar.

Com isso tudo, mais uma dose? Não precisa. Quatro é um nível suficiente para curtir as boas coisas sem perder os melhores detalhes ou correr o risco de uma ressaca brava, afinal o Negroni, tanto quanto outras bebidas, é para ser tomado com respeito.

Existe um sem número de músicas com Negroni, principalmente italianas. Se você gosta de algo mais experimenta tem até uma banda chamada Velvet Negroni, mas de música hoje vou ficar com um clássico que eu adoro dançar quando nas quatro doses, “Bizarre Love Triangle” New Order.

Nos filmes eu fico hoje com a maravilhosa Ana de Armas, no short movie da Campari “Entering Red”.

Cheers!

0 Shares:
1 comentário
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar:
Ira
Saiba Mais

Ira

Meu grito foi ouvido, as paredes tremeram, tamanha foi a ira das palavras que escaparam da minha boca como lanças afiadas.
Saiba Mais

O preparo

Que dolorosa essa coisa de crescer e aprender a cuidar de si. Mais de mim em decisões, passos e escolhas que levam por caminhos desconhecidos.
Saiba Mais

M.E.N.O.P.A.U.S.A

Conseguimos a duras penas devolver à menopausa o seu lugar de direito: tirá-la do papel de bicho-papão, sentença de fim de jogo!