“Roberta, você está fazendo tudo errado”! Sim, esse foi exatamente o assunto de um e-mail que recebi recentemente, muito provavelmente para divulgar algo milagroso que vai mudar definitivamente a minha vida.

Se eu já ficava irritada com esse tipo de abordagem, agora, em plena pandemia e com tudo o que estamos passando, eu fico pistola grau máximo, meus dedos invocam o incrível Hulk que habita em minha personalidade e a minha vontade é a de responder de forma mais desaforada possível. O que vocês sabem da minha vida, com tanta propriedade?

Pois eu digo chega! Chega de “gurus virtuais” que mais bagunçam a sua mente e nos fazem sentir o pior dos piores! Chega de conteúdo ostentação e parabéns se você atingiu o seu milhão em pouquíssimo tempo ou, então, o ápice do nirvana emocional. Por aqui, o tempo é absolutamente diferente… E está tudo bem!

Eu não sei vocês, mas o estado da minha “zona de conforto” é o de total bagunça. E, talvez, em um dos momentos mais desafiadores que já vivi, a última coisa que eu quero é ter qualquer tipo de contato com quem não respeita e não tem a menor empatia comigo.

Eu quero ler que tudo está um caos, mas vai passar; que podemos nos unir para melhorar, para acolher, para ajudar; que a competição e a busca incessante por alcançar a “linha de chegada” em menor tempo possível (sem dormir, sem descansar) ficou no passado; que cada um tem o seu tempo e isso é absolutamente normal e aceitável. E, acima de tudo, que eu estou dando conta do hoje fazendo o meu melhor, da forma que dá.

A verdade é que não existem fórmulas milagrosas e o nosso momento atual não pode ser, de forma alguma julgado por uma régua que não é compatível à nossa realidade. Podemos melhorar? Claro que sim! Aliás, penso que estamos aqui para isso. Mas no nosso passo, no nosso ritmo, no nosso tempo. E está tudo bem!

Ninguém, em plena pandemia, está aqui para ganhar o troféu de melhor profissional, melhor mãe ou pai, melhor companheiro ou companheira. Estamos, apenas, tentando sobreviver da melhor forma possível, caindo, levantando, acertando, errando e faz parte do nosso show.

Se valorize e, como já mencionei em um outro texto, se aplauda! Se for o caso, reajuste a sua caminhada, mas nunca, nunca, desmereça a sua realidade porque alguém que provavelmente nunca teve qualquer contato com você e com o seu dia a dia decidiu algo que considera ser muito melhor do que aquilo que você faz.

E, se eu puder deixar uma dica, faça uma limpa e se permita apertar o botão do unfollow sem qualquer culpa. Acompanhe quem faça sentido para você e não quem te joga para baixo, com frases de impacto que, na verdade, muito provavelmente não irá te levar a lugar algum, exceto ao buraco. Se blinde, se preserve, se cuide com carinho, levante todos os dias e berre: “eu sou foda!”. E siga do jeito que faça sentido para você, porque somos heróis apenas por acordar todos os dias e decidir seguir em frente.

E, por fim, se o calo apertar, peça ajuda. Não é demérito algum, mas uma questão de autocuidado. Acredite em você!
Um beijo e até a próxima!

0 Shares:
1 comentário
  1. Gosto muito da forma como beta escreve. Ela aborda as questões com inteligência e verdade. No mundo em que estamos vivendo cada vez mais virtual, verdade e realidade, se fazem necessárias! Beta é Gente como a gente!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar:
Saiba Mais

Sobre a vaidade

Acordei com um raio de sol tão insistente, chato, que parecia ter atravessado o quarto com a única…