Será que somos tão gentis conosco como somos com o próximo?

Explico: Eu amo cuidar (um beijo para as cancerianas!), me preocupo e mimo todos aqueles que eu amo e isso sempre me fez muito bem. Mas, durante um considerável espaço de tempo, eu simplesmente esqueci de mim. 

Às vezes, me pego pensando que até os meus 30 e poucos anos eu podia tudo, segurava tudo e meu corpo era inabalável. Nos últimos tempos, por outro lado, eu passei a prestar mais atenção em tantas coisas que me enriquecem mais e me preenchem de forma muito positiva. Aliás, já deu uma lida no meu texto: “Pare, Olhe, Se escute”?

Acredito que todos nós viemos ao mundo para fazer a diferença. Mas a nossa missão não se torna muito maior quando estamos bem e respeitando os nossos limites? 

Agora me conta: você tem o costume de acordar todos os dias, se olhar no espelho e pensar: “como eu sou incrível”! Se preencha de afirmações positivas, de pessoas que somam, cuide direitinho de você e se aplauda de pé todos os dias!

Um beijo e até a próxima.

Beta

0 Shares:
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar:
Aniversário
Saiba Mais

Aniversários

Nunca gostei de aniversário. Com o passar dos anos, comecei a “pegar gosto” pela coisa. Envelhecer tem sido revelador. Bem-vinda maturidade!
A Filha Perdida
Saiba Mais

A absolvição de Leda

Apesar de Olivia Colman, “A Filha Perdida” não me conquistou de primeira. Precisei de uma nova tentativa pra chegar nas minhas entrelinhas.