“Um cara pobre que quer uma garota rica.” No desabafo dentro de um trem, JR recebe a seguinte mensagem: “A gente nunca vê quem é rico de verdade. São invisíveis.” Faz todo sentido pra mim.

Ciências masculinas: “Ter um trabalho, ter um carro, ponha suas coisas nele. Aí você vai ser independente e alguém pode te querer. E se não quiserem, caia fora.” Sábio tio Charlie, outro personagem do filme que me inspirou esse texto. Está disponível na Amazon prime, já fica. Aliás quero um tio assim na minha próxima encarnação. Já que nessa não rolou.

O que dizer sobre isso.
Ah, memórias!

Cara, sou muito masculina! Literalmente. Minha psicoterapeuta já me falou isso inúmeras vezes este ano, até recebi a sugestão de colocar a figura do Ying Yang como pano de fundo na tela do meu celular, já que preciso de equilíbrio entre meu feminino e masculino. Aff, que coisa chata, mas estou trabalhando isso. Já deixo aqui uma boa pauta para os profissionais de psicoterapia e também terapeutas holísticos de plantão: equilíbrio interno.

Voltando ao filme. O que dizer do balcão de um bar?

O balcão de um bar é muito associado ao público masculino, principalmente pela escolha da bebidas alcoólicas. Eu diria que é um ambiente onde você faz “conexões etílicas”, não sei se alguém inventou essa frase, mas eu gosto muito dela. Gosto tanto que tenho ela como destaque no meu perfil privado do Instagram. Vou disponibilizar aqui para vocês, do meu arquivo pessoal, afinal fui eu a responsável por este registro e, óbvio, no interior de um bar.

Gin com Martini e algumas gotas de whisky. Mais um destaque para minha preferência alcoólica. Nada feminina, fazer o quê??!! Sou eu.

E por falar em bar, sou aquela que senta no balcão, pede seu drink e aprecia o momento sem pensar em nada. PQP (desculpa) mas esse é outro ponto que me distingue e também me desequilibra (não só pelas doses) .

Amo o poder do silêncio na minha mente, só curtindo o momento, apreciando cada sabor que destila meu paladar e relaxando a minha mente. Isso é muito bom e para poucos. Mérito meu, já que sou uma mulher madura que aprende diariamente com a convivência humana. Estou na fase “mestrado próprio”.

Vou fazer um breve resumo sobre isso. Recentemente fui abençoada pelo Covid, após seguir ilesa por quase dois anos de pandemia. Consegui receber duas doses da vacina e não entrando no mérito do assunto, acredito que de alguma forma fui beneficiada. Tive sintomas levíssimos e me recuperei em 10 dias sem a necessidade de qualquer intervenção hospitalar. Razão pela qual me sinto abençoada.

Retomando mais uma vez meu raciocínio, que igualmente ficou mais apurado nos últimos dias, talvez por conta do meu semi-isolamento. Já que fui obrigada a sair algumas vezes, tomando as devidas cautelas… Durante esse breve período percebi que somos instantes e ter a oportunidade de relaxar a mente neste momento tão delicado de nossas vidas é um privilégio, mais uma razão para eu me sentir abençoada.

Você já fez “mestrado próprio”? Isso foi novidade por aqui. Moro sozinha mas tenho breves momentos em companhia do meu filho, que se divide aleatoriamente entre a minha casa e a do pai dele. Quando me contagiei achei prudente me isolar dele. E assim sigo. O que me faz diariamente refletir sobre relações. Relações em vários contextos.

Somos humanos e temos a opção de construir e desconstruir nossa história quantas vezes forem necessárias, mas o principal motivo, no meu ponto de vista, é ser feliz consigo mesmo. Afinal quando você aprende a conviver consigo mesmo, tudo faz mais sentido e sua vida flui de forma muito mais leve. São escolhas. A maturidade e também inconformidades da vida me trouxeram aqui. Portanto, faz todo sentido.

Por falar em drinks, não poderia deixar de me lembrar do @drinknthepot que também inspira muitas conexões etílicas e igualmente faz parte do nosso time de colunistas aqui no Inconformidades. Vejam também seu textos e dicas. Assinar a newsletters já é outra super dica que dou aqui. Lá você encontra materiais incríveis.

Assistam o filme “Bar Doce Lar ” que conta com a direção de George Clooney, no Prime Video. Além do elenco que admiro muito, a trilha sonora está impecável. Entre as músicas do filme segue aqui uma das minhas favoritas

Entre drinks (etílicos ou não), bares e relações, qual a SUA conexão?
Sua no sentido restrito da palavra – você com você mesmo.
Comenta aqui, vou adorar!!!

Bebam com moderação e vivam intensamente!

Beijo da Drika Almeida

0 Shares:
1 comentário
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar:
Saiba Mais

Um fim de semana…

A dança conecta pessoas conhecidas e desconhecidas, podendo até gerar algo mais entre casais... Isso também é trabalhar a sexualidade!