Houve um tempo em que a disputa entre o deus do mar Posseidon e Atena, deusa da sabedoria, para saber quem seria o deus protetor de uma mesma cidade na Ática, foi arbitrada por Zeus, senhor do Olimpo.

Posseidon ergueu o tridente e bateu com força na pedra, fazendo jorrar dela uma fonte de água salgada. Atena por sua vez, ergueu a lança dourada e, com uma pancada no chão fez brotar seu presente: a oliveira cujos frutos haveriam de servir para alimentar o povo da cidade e produzir óleo para iluminar, curar e servir ao homem de inúmeras formas.

Não é preciso contar o final da história.

Mas é sempre bom lembrar que nesses tempos de novos hábitos de cuidados com a saúde, e, desde a antiguidade, o ouro líquido tem sido um grande aliado. Como alimento, o azeite de oliva extra virgem além de ser delicioso puro, faz harmonizações com diversos pratos salgados ou doces – sim! Azeite de oliva em sorvetes, por exemplo, ficam um espetáculo.

E possui uma porcentagem significativa de biofenóis (ou polifenóis). Estes ajudam a prevenir doenças vasculares e cardíacas em função da qualidade de sua gordura; ajudam a prevenir o diabetes pois melhora o controle glicêmico; ajudam a reduzir a incidência de câncer, particularmente do câncer de mama e ajudam ainda a prevenir doenças neurodegenerativas.

Continuando a longa lista de benefícios, os óleos das olivas hidratam cabelos, cutículas e a pele. Servem como demaquilantes, realçam cílios e sobrancelhas além de serem bons coadjuvantes nos tratamentos contra celulites. Mas vamos falar de bem-estar, de auto-cuidado, de prazer …

Para massagens corporais, dizem os antigos, nada melhor do que aquecer um pouco de azeite velho e massagear o corpo provocando a transpiração pela aceleração sanguínea. Assim se eliminam toxinas, células mortas, o cansaço e as dores musculares.

Eu, diferentemente dos antigos, faria esta receita com azeite de oliva extra virgem e, novo! E pensando em prazer, esta massagem poderia ser uma boa proposta para você e sua cara metade se exercitarem e se auto-cuidarem.

Descobriu-se recentemente que as gorduras presentes no azeite de oliva, são as mesmas que formam o nosso tecido adiposo. Instintivamente, nossos antepassados já sabiam disso.

No Antigo Egito o azeite de oliva já era utilizado em rituais de beleza, em máscaras faciais ou corporais, unguentos e banhos e, desde século IX , os savons de Marseille produzidos na cidade do mesmo nome com o suco das azeitonas, água salgada do mar Mediterrâneo e cinzas alcalinas de plantas marinhas são objetos de desejo.

Nos tempos antigos, os responsáveis pelas provisões dos mosteiros acreditavam que azeitonas e azeites eram eficazes no restabelecimento do equilíbrio adequado dos humores corporais (seja lá o que isso signifique) e, algumas vezes, o prescreviam contra impulsos violentos ou impulsos sexuais. Já as esposas, ministravam azeite de oliva aos maridos para livrá-los das artimanhas e encantos das prostitutas.

Fato é que o ouro líquido tem desde sempre usos diversos com intensões pertinentes ou improváveis e vem, ao longo dos tempos atendendo necessidades inúmeras de homens e mulheres.

E, como falei em azeite de oliva, auto-cuidado e prazer, finalizo lembrando que o suco das azeitonas é também considerado afrodisíaco. Há um ditado grego que diz em tradução livre: coma azeite de oliva para gozar à noite; coma manteiga para dormir profundamente.

E eu acrescento: além de comer, use azeite de oliva também para lubrificação vaginal. O ouro líquido, como disse Alissa Mattei – química, consultora e dirigente da Casa Montecucco na Maremma, Itália – contém os mais profundos mistérios da natureza.

Use sem moderação!

36 Shares:
5 comentários
  1. Que texto maravilhoso…!!! Um belo palavrar regado com o dourado do azeite, que nos convida à experimentação dos afetos e sabores que nos atravessam… Adorei!!!
    Gostaria que essa alquimia dourada virAsse uma coluna fixa!😍

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar: