Por que sempre que voltamos de uma viagem entramos em uma fase de desapego? Ou pelo menos de um pretenso desapego – eu pelo menos volto querendo doar quase tudo o que tenho, com um propósito de mudar de estilo.

Será que o fato de viajarmos com apenas 23 kg de bagagem, e termos que espremer todas as nossas opções de looks interessantes em um espaço mínimo, nos faz descobrir que não precisamos muito mais do que isso? Eu, que viajo de Econômica, sinto muito não só pela redução no tamanho dos assentos, mas também em poder levar só UMA MALA de 23 kg. 

Não sou uma mulher “minimal”, pelo contrário. Morro de medo de passar calor, de cansar da mesma calça, de molhar um tênis, de enjoar do mesmo combo camiseta+tênis a viagem toda. Sou péssima para fazer mala compacta, muito embora só leve peças essenciais. Mas meu essencial seriam duas malas de 23 kgs, porque amo ter opções em tudo na vida. Mesmo que sejam três tipos de camisetas brancas. Quatro opções de camisetas pretas e umas dez camisetas cinzas. Sim, básica e boring.

E depois de todo esse quebra-cabeça criando looks essenciais, fuçando sites maravilhosos de como montar a mala ideal e compacta (ninguém ensina melhor do que Consuelo Blocker, em seu site, o que e quando levar), colocando em cima da cama todas as opções bacanas com peças básicas, descobrimos que usamos quase as mesmas peças de roupa a viagem inteira.

Vou colocar aqui os links do site da Consuelo para quem quiser se inspirar:

https://www.consueloblog.com/mala-de-mao-para-4-dias/

https://www.consueloblog.com/dicas-de-mala/

https://www.consueloblog.com/10-dicas-para-viajar-melhor/

Consuelo Blocker, o melhor guia para montar looks e mala compacta

Também me dei conta que dois batons, um rímel, um corretivo e um blush que levei na nécessaire são mais do que suficientes. Esse é meu dilema eterno.

Volto querendo me desfazer de tudo o que não levei, porque percebo que se não usei em um mês, não preciso deles de fato. Passei 40 dias fora de casa usando duas calças, uma legging e um shortinho de academia. Dois pares de tênis e só. Errei feio na composição da mala, mesmo conferindo o Weather Channel quase diariamente antes do embarque. Passei calor. Confesso que quero queimar essas duas calças e que jurei que da próxima vez vou colocar mais duas outras calças, mas isso não é uma nova construção? Saber usar melhor nossas opções?

Danuza Leão, em seu livro “É Tudo Tão Simples”, não ensina a regra básica do mínimo essencial e chic? Um jeans azul, um preto, uma calça cáqui, uma camisa branca linda, um blazer preto e camisetas de cores neutras?

A eterna musa Inès de La Fressange, em sua bíblia de estilo “Parisian Chic Look Book”, já me fez jogar fora minhas roupas mais frufru e comprar jeans branco e blazer azul-marinho, na esperança de parecer uma legítima parisiense. Tentei renovar meu closet e viajar no melhor estilo “Parisian Girl”.

Se eu consegui? Claro que não! 

Minha irmã maravilhosa, que mora na Suíça há seis anos, viaja com uma mala de mão: está sempre chique, descolada e não passa perrengue.Cores neutras, acessórios arrasadores e uma bolsa bacana.

Minha amiga querida Denise Prado, meu ícone de estilo, é das mulheres mais cool que já conheci. Básica mas nada boring, calças pantacourt de tecidos nobres, tênis hype, camisetas neutras, jaquetinhas e sempre um toque de modernidade. Mas um look diferente a cada dia, cheios de bossa. Dei uma espiada em seu closet e vi que lá não sobra peça sem usar.

Assim, já comecei minhas doações logo que cheguei de viagem. Quero ter o estilo “effortless chic” da Danuza e da Denise, a sabedoria da Consuelo e o charme das parisienses. Quero saber usar cada vez mais o que tenho – que longe de ser pouco – sem fuçar o site da Zara em busca de novidades. Quero aprender a viajar com uma mala de mão sem passar frio, calor ou vontade, mas acho que esse objetivo não será alcançado nessa vida. 

Quero não pensar no que deixei em casa, porque esses arrependimentos estragam a viagem.

Qual é então a solução? A minha é o desapego no dia a dia. Porque sei que o que eu tenho no closet daria para umas vinte viagens sem repetir roupa. 

Não preciso de absolutamente nada, só das roupas da Denise, Consuelo e da Inès!  E o estilo da Danuza… Rsrsrsrsrs

Um beijo e até a próxima

0 Shares:
4 comentários
  1. Já tive dilemas semelhantes da hora de arrumar a mala. Mas hoje uma coisa está definida: existe uma nécessaire para viagem, completamente básica: batom, filtro solar, base, máscara e lápis. Uma calça jeans; t-shists,; uma jaqueta é um casaco; uma camisa ; um vestido de linho. Um só tênis é um chinelo. Uma só bolsa. Se fizer calor , se fizer frio compro algo emergencial . Ah! O óculos de sol não pode faltar .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar:
Saiba Mais

Acooooooordaaaaa menina!

O corpo ideal não existe, mas existe um corpo ideal pra cada indivíduo em cada fase da vida. Questão de saúde pública (estética é um bônus...)