Pra quem me conhece pelo perfil @cool50s, no Instagram, sabe que o tema “biquíni”, seios grandes e maiôs confortáveis estão sempre na minha pauta. Já fiz duas cirurgias de redução de seios e, mesmo assim, agora no climatério, eles continuam um tema na minha vida.

Se tem uma coisa que tira o meu humor é a saga pré-verão, atrás de qualquer coisa que segure as pontas. E meus seios. Entrar em loja de beachwear já saiu da minha lista há anos, e encarar uma vendedora tentando me convencer que o tamanho 46 me serve – sendo que esse 46 na verdade equivale a um 40 – me dá vontade de sair correndo. Nessa história que é a da minha vida, conheci a Marina e Luciana Moraes, as “Agapanto”. 

Luciana e marina moraes, as “AGAPANTO”

Pelo algoritmo do Instagram, surgiu no meu feed a marca incrível de maiôs e biquinis dessas irmãs bacanérrimas, @agapanto.maios.

Bingo! Comecei a ver que as modelos não eram mulheres magérrimas, que tinham sim uma barriguinha super familiar e que, SIM, as partes de cima eram compatíveis com meu tamanho de mulher madura.

Resolvi sondar a dupla e pedi pra que contassem um pouca da sua história. Me apaixonei! Marina e Luciana sacaram que existe uma demanda por peças tamanho real, e quis trazer pra vocês um pouco da história delas e de como surgiu a idéia.

“Estávamos, as duas, naquela entressafra profissional que os americanos chamam elegantemente de ‘in between jobs’. Uma vinha do mundo do empreendedorismo, a outra, do jornalismo. Em comum, tínhamos a mãe, o pai, os irmãos e uma enorme rede feminina familiar e social, filhas, primas, amigas. Um mulherio numeroso e poderoso. Foi nesse contexto, em meio a muitas conversas femininas, que concluímos que o mercado brasileiro de moda praia estava em dívida com as mulheres acima de 50 anos. 

Um mercado potente, criativo, ousado e muito atento para as mulheres mais jovens e para as mulheres que buscam e conquistam corpos perfeitos. Um mercado esquecido de que, entre outras importantes conquistas femininas, está a da auto-estima, da liberdade e da autenticidade.

Pouquíssimas marcas de moda praia evoluíram em direção a uma estética mais democrática e generosa onde cabemos todas, todos os corpos, em todas as idades. Essa é a mulher que queremos ser, a que sente prazer, se aceita, se cuida, se valoriza como é. A que não se submete à ditadura do corpo idealizado. 

Inspiradas por essa fotografia atual, começamos a criar modelos de maiôs e biquínis que apreciassem os nossos corpos, valorizassem as nossas formas, transparecessem a nossa sensualidade e que fossem muito confortáveis. Fomos exigentes com o acabamento, usamos uma lycra de alta qualidade inclusive no forro, desenvolvemos modelos que não apertassem, não incomodassem e que fossem elegantes sem serem caretas. Uma moda praia ‘com pegada firme e gostosa’.  

Aos poucos, começamos a receber fotos e mensagens de clientes se dizendo absolutamente felizes vestindo as nossas peças. Mulheres reais, com corpos verdadeiros, lindas, divertidas, de bem com elas mesmas e tão inspiradoras! Mais uma vez, foram as vozes femininas que deram o tom para o nosso trabalho. Fomos fazendo ajustes, tentando responder na feitura dos maiôs e biquínis o que ouvíamos, elogios e queixas, das mulheres. 

Nosso Instagram reflete isso. São imagens de consumidoras de toda parte, com as suas muitas diferenças e tanto em comum! Para modelos da marca, fomos buscar mulheres que, entre outras atividades, topassem fazer as fotos. Mulheres guerreiras, donas de um feminino corajoso, despojado e alegre. 

O nome Agapanto veio da nossa mãe, uma mulher bacana como as que descrevemos, e que adorava essa flor. Ela não conheceu nosso trabalho, mas contamos com a sua benção e recebemos, de vez em quando, uns puxões de orelha lá de cima.”

Ah, o sutiã do biquini é dos melhores da vida, e elas desenvolveram uma alça que não funciona como guilhotina no pescoço…Por mais mulheres como Luciana e Marina, e por mais marcas que nos representem!

0 Shares:
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar:
Saiba Mais

Cabelo, que cabelo?

Tenho um diagnóstico de alopecia androgenética, ou seja, hereditária. Há ainda um certo tabu ao se falar da queda de cabelo feminina...
Saiba Mais

Simplificando o skincare

Quando falamos em skincare já pensamos em uma sequência sem fim de inúmeros produtos. Mas isso nunca funcionou pra mim. Tem que ser prático!