A chegada do Covid-19 trouxe uma preocupação necessária com a saúde como um todo.

Muitos despertaram outros não, mas a atenção real voltou-se para as questões da saúde mental.

Eu mesma, por ter presenciado situações delicadas com pessoas próximas do meu círculo, agarrei essa pauta com unhas e dentes e vesti a camisa.

A mente é um enorme HD com espaço infinito de armazenamento na memória, mas será que a gente aguenta esse peso todo?

É tanta lembrança, enredo, novelas, filmes de todas as categorias, do Oscar a Framboesa de Ouro.

Uma vida inteira acumulando histórias mal resolvidas, aquele seriado que não teve o desfecho ideal e a próxima temporada não foi filmada por conta da pandemia. Quem nunca?

Este HD precisa de cuidados, limpeza e back-up regularmente para não bugar.

A bolinha colorida não para de girar e até mesmo o sistema pede, implora por restauração e fechamento das janelas.

É preciso ter uma mente leve, fresca e arejada. Lente clara, mente clara, lente escura, mente escura… quem me conhece sabe que este é o meu lema.

Se a esta altura de nossas vidas não tivermos jogo de cintura para lidar com nossas relações, não cultivarmos atitudes compassivas, treinarmos nosso humor – sim, mal humor tem jeito –  bem provável que o cenário piore bastante, lá na frente.

Todos nós vislumbramos envelhecer com qualidade, mas como estamos nos dedicando agora? Sim, hoje.

Eu me visualizo uma velhinha de 90 anos com um corpo flexível, alongado, forte, dando palestras sobre meditação e neurociência pelo mundo afora, autêntica, bem humorada, moderna… Vivienne Westwoood, apesar dos 79, hoje é a minha referencia de estilo para os 90.

Pois é, exigente eu, não? O que estou plantando hoje para envelhecer com estes atributos?

Aposto que você também tem anseios semelhantes ao meu, pois quem quer carregar um corpo cheio de dores ou ficar prostrada em cima de uma cama remoendo o passado e o tempo bom que não volta nunca mais?

Tempo bom é no presente, sempre!

E é no presente que se investe, que se planta, que se constrói uma realidade como essa.

Bem, viramos o ano e janeiro é o mês da campanha Janeiro Branco, que vem para chamar a atenção da humanidade para as questões e necessidades relacionadas à Saúde Mental e Emocional das pessoas e das instituições humanas.

Vários estudos afirmam que os maus hábitos que levam pessoas a obesidade, tabagismo e a diabetes na meia idade podem estar mais propensas a desenvolver sinais de encolhimento do cérebro e de diminuição das habilidades de planejamento e organização conforme envelhecem. A pesquisa foi publicada no Neurology, periódico médico da American Academy of Neurology e teve a colaboração de pesquisadores a University of California, nos Estados Unidos.

O impacto destes hábitos a longo prazo pode resultar também em depressão, doenças crônicas e demências como o Alzheimer…

A combinação de fatores de um estilo de vida saudável, como não fumar, manter o peso ideal, praticar atividade física, meditar regularmente e seguir uma dieta saudável, é capaz de reduzir em 80% o risco das doenças crônicas mais comuns e fatais, revela estudo publicado pelo periódico científico Archives of Internal Medicine.

Esse estilo de vida saudável é um conjunto de ações que com certeza irá te trazer uma mente equilibrada hoje e no futuro.

Quando falo “mente equilibrada” penso no corpo todo.

Faça o seguinte exercício agora: Sinta o seu pé. O comando para você sentir o seu pé veio de onde?

Sim, veio do seu cérebro que produziu um pensamento na sua mente.

Sua mente é o corpo todo!

Como você está se nutrindo hoje?

Decida pelo esporte, meditação e comida de verdade como sua medicina!

E parafraseando o meu querido professor Hermógenes: sorrir, amar, saber perdoar e relaxar também são remédios poderosíssimos que não encontramos nas farmácias.

O efeito colateral? A Felicidade!

Agora me conta: Como você deseja a sua realidade no futuro?

0 Shares:
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar:
Capô de fusca
Saiba Mais

Capô de fusca

Capô de fusca ou pata de camelo são expressões criadas para chamar o vinco das partes íntimas femininas que teima em aparecer na roupa.
O meu número
Saiba Mais

O meu número

Roupas aguardam a minha escolha, enquanto passo a mão sobre cada uma delas. Indecisa, preciso me vestir. Como cheguei até aqui?