Ainda não tinha decidido a pauta da próxima coluna, mas considerando o nosso grude quase que 24 horas por dia, estranho seria se eu não escrevesse sobre o quanto você é importante e presente na minha vida.

Aliás, você veio quase que de surpresa para chacoalhar a minha rotina. Estava a trabalho em São Paulo, semanas corridas, era fim de 2019 e, de fato, só me dei conta de que algo mudaria no dia em que você chegou. Naquele fim de tarde, inclusive, o Mengão ganhava mais um título (como você é “pé” quente, menino!).

A partir de então, você foi preenchendo a nossa vida e a nossa casa, de modo que eu já não consigo me imaginar sem os seus bobeijos e travessuras. Cheguei a ficar alguns dias em São Paulo a trabalho logo depois, mas você era tão bebê que nem deve lembrar.

Daí a pandemia chegou e o nosso amor se multiplicou. Não nos desgrudamos mais. Você me acompanha no trabalho, chegou a dar um “oi” em alguns compromissos remotos, assistimos séries e tomamos café juntos. Claro que, no seu caso, é a hora do petisco. E na hora de dormir, começa a me cutucar para sair do sofá e apagar as luzes da casa.

Sempre que faz alguma travessura (e você bem sabe todas as vezes!), vem correndo para o meu lado se aninhar, como se eu fosse uma espécie de escudo. Às vezes, estou trabalhando e, do nada, você vem com um brinquedo. Ah, aprendi que parar um tempinho para brincar com você além de ser uma delícia, não prejudica a minha rotina de trabalho.

Você despertou em mim um sentimento de cuidado e de proteção que você nem imagina. Nas raras vezes em que preciso resolver algo, meu coração aperta por te deixar, ainda que você já tenha demonstrado ficar muito comportado e cuidar da nossa casa.

Quem podia imaginar que um Golden de 36 kg pudesse ocupar um espaço bem grandão na minha vida e no meu coração! Você trouxe uma alegria que eu não consigo explicar, tudo fica melhor e mais leve com você aqui em casa. Você me ampara quando sente que eu não estou bem e me enche de patinhas e lambidas para eu melhorar. Nem cogito ainda imaginar o momento em que eu precisar voltar para São Paulo (melhor deixar para lá…).

Nos passeios, você faz questão de cumprimentar todos. É um Lord, sempre esticando a patinha, com sorrisos e abraços (quem ele já conhece, sempre se inclina com as patinhas para dar um abraço).

Eu tinha que celebrar você aqui. Você é parte do meu todo, um amor tão grande e tão puro. Aliás, você merece ser celebrado todos os dias!

Eu te amo, Bob.

282 Shares:
1 comentário
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar:
Ser ou estar
Saiba Mais

Ser ou Estar?

Os anseios da menina de 20 anos são diferentes daquela de 40. É libertador aceitar que mudamos e a partir daí nos reprogramar.