Em que momento os óculos passaram a ser considerados acessórios de moda, objetos de desejo cobiçados por homens e mulheres e não mais vistos apenas como uma órtese que auxilia na acuidade visual? Porque certas armações nos exercem tanto fascínio e investimos tanto dinheiro para termos às vezes, mais de dez pares de óculos escuros ou de grau, ou dos dois?

Considero que existem dois modelos que revolucionaram o design ótico e que ainda hoje são grandes ícones da moda, na história dos óculos. Em plena II Guerra Mundial, a marca americana Ray-Ban (1937) desenvolveu armações com proteção solar para que os pilotos tivessem uma melhor performance durante os combates aéreos. Os óculos com o formato “aviador”, deram uma reviravolta no design dos óculos e transmitiam virilidade, coragem, esportividade, aventura, heroísmo.

Ainda nos anos 1930, outra revolução no design ótico, dessa vez feminino; o formato “gatinho” criado pela americana Altina Schinasi Miranda. Dois formatos que despertaram fascínio em Hollywood e nas celebridades da época, e consequentemente, se popularizaram e viraram febre de consumo até nos dias de hoje.

Nos anos 1980 e 90 há uma explosão de marcas de óculos de sol, feitos por marcas de luxo como Chanel, Fendi, Versace, Armani, Prada que observaram o crescimento do segmento ótico e a necessidade das pessoas se identificarem com a mensagem da marca, e não somente com as celebridades que as vestiam. A criatividade do design estava nos modelos solares pois os de grau ainda ficavam presos à imagem de algo mais austero, sério, intelectual.

Nos anos 2000, as chamadas “marcas independentes” de óculos começam a ser mais conhecidas, principalmente com o advento da internet. Marcas começaram a ser criadas por artesãos de óculos feitos à mão, ou de companhias que faziam pequenas coleções, cuja prioridade era a exclusividade. Quanto mais exclusivo, mais cool, mais chique.

Antes nas fotos de revistas e depois com o crescimento do Instagram, as celebridades começaram a mostrar que também usavam óculos de grau. Aos poucos, aparecer em público com suas armações, foi deixando de ser estranho para as mulheres e o Red Carpet tem nos mostrado atrizes com roupas de gala e seus óculos de grau.

Antes, carregados de tantos preconceitos, agora começam a ser considerados como um acessório tão ou mais importante na composição de um look. A infinidade de materiais, estilos, designs, cores, não estão associados às marcas de luxo. As marcas independentes ganharam força e tem se esmerado fazendo peças diferenciadas e cheias de estilo.

Vemos que as armações de acetato robusto que têm ganhado destaque nos últimos anos, não deixando ninguém passar desapercebida. Mas não são todas as mulheres que usam peças assim. Muitas ainda optam por armações delicadas ou fininhas, que são facilmente encontradas em óticas, sendo peças comerciais, cuja produção industrial. Escolhem sempre determinada marca e tem dificuldade de variar nos formatos das armações.

Não importa qual seja essa escolha e sim o fascínio que determinada peça nos provoca! E você? Existe alguma uma armação (formato, marca) que lhe fascina a ponto de ser seu objeto de desejo? Conta para mim nos comentários!

Até mais.
Cax

1 Shares:
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar:
Saiba Mais

Veste pra você!

Não há limites para criatividade e tampouco para quem deseja vestir uma peça linda de moda íntima, que destaca exatamente o que se quer usar.